Symposium Bolota: o futuro de um alimento com passado

Tuesday, 31 March 2015 Posted in Alentejo Region

Read this article in English

No passado dia 22 de Março de 2015 umas dezenas de pessoas deslocaram-se à Herdade do Freixo do Meio, em Montemor-o-Novo para ouvirem falar da bolota e da importância que esta pode ter na alimentação dos homens – e não apenas na dos animais.

bolota Lcia Amador 250Quando o proprietário da Herdade do Freixo do Meios, Alfredo Cunhal Sendim, decidiu organizar o symposium Bolota: o futuro de um alimento com passado sabia que iria conseguir reunir algumas pessoas interessadas no tema, mas não imaginava que iria aparecer umas dezenas que já trabalha a bolota em produtos diferentes, nomeadamente as broas de bolota e mel, as tortas de bolota, os licores de Bolota, os bolinhos e bolachas, as tartelletes de bolota e leite condensado e os bombons de bolota com chocolate. Para além dos produtos desenvolvidos na própria Herdade, ou seja, o café de bolota, que já é comercializado, os biscoitos em forma de bolota, a recém criada bebida fria de bolota ou os hambúrgueres, croquetes e enchidos feitos com bolota. 

 

bolota Lcia Amador 2 250

Á primeira vista parecia um encontro descontraído de pessoas interessadas no tema, mas na realidade, foi o culminar de um longo trabalho iniciado no momento em que Alfredo Cunhal Sendim, que conseguiu recuperar o antigo sistema tradicional do montado da região na herdade do Freixo do Meio, olhou para as bolotas das azinheiras e dos sobreiros, que não estavam a ser aproveitadas, e pensou que fazia todo o sentido aproveitar um recurso destes.

A parceria com a Escola Superior de Biotecnologia da U. Católica do Porto foi fundamental, uma vez que, esta estudou as características nutricionais e funcionais da bolota e chegou a conclusões surpreendentes, designadamente que é rica em fibras e proteína, com um perfil de lípidos semelhante ao do azeite e sem glúten (o que a torna particularmente interessante para os doentes celíacos), a bolota revelou-se ainda muito rica em compostos antioxidantes. Com a participação do Instituto de Biologia Molecular e Celular da Universidade do Porto foi estudado o ácido clorogénico, em que a bolota também é rica, no tratamento de doenças neurológicas degenerativas.

E se isto tudo for um sucesso? Haverá em Portugal quantidade suficiente de bolota para responder a uma eventual procura? Alfredo Cunhal Sendim não tem dúvidas que há, e cita um estudo preliminar realizado por Miguel Sottomayor da Católica do Porto, e apresentado também no symposium, onde os dados mostram que 55% das bolotas que existem em Portugal, sobretudo nas regiões do Norte e do Alentejo, são desperdiçadas. Estima-se que o potencial económico ronde os 13,3 milhões de euros. Assim, deve-se continuar a trabalhar para que a bolota recupere em Portugal a importância que teve no passado.

Podem ler mais sobre o evento no site do jornal português - Publico.

 

Photos by Lúcia Amador

eu-55
This project has received funding from the European Union’s Seventh Programme for research, technological development and demonst ration under grant agreement No. 311919

  • Last Modified: Tuesday 31 January 2017, 07:20.

Built with HTML5 and CSS3
Website created by H&R Design Studio